Blog

Todos os assuntos

O seu dinheiro pode trabalhar para você

06 jun

Já parou para pensar que seu capital, depositado em um banco, é matéria prima para outra pessoa ganhar dinheiro em seu lugar? Afinal, é com ele que os bancos realizam seus empréstimos e geram os lucros elevadíssimos que são anualmente registrados pelo setor.

Hoje, após e Lei Complementar 167, você pode fazer seu dinheiro trabalhar só para você, por meio de uma nova modalidade de empreendimento: as Empresas Simples de Crédito (as ESC), criadas para atuar concedendo empréstimos, financiamentos e, até mesmo, no segmento de desconto de títulos de crédito, como cheques, por exemplo.

A ideia da lei parece ter sido viabilizar a ampliação da oferta do crédito, em especial do micro-crédito – o que beneficia diretamente a economia e os pequenos empreendedores. Entretanto, tais empreendimentos ficam limitados a atuação municipal (ou aos limites próximos ao município sede), sem autorização para se venderem como bancos ou instituição financeira.

Diferentes da atuação dos bancos, que fazem seus empréstimos e financiamento com uso de recursos captados via depósito e investimento de seus correntistas, nas Empresas Simples de Crédito só será permitido utilizar-se de recursos próprios. Ou seja, o valor disponível para repassar a terceiros será limitado ao constante do capital social da empresa.

Cada sócio, ou o sócio individual se estivermos falando de uma EIRELI (Empresa Individual de Responsabilidade Limitada), colocará um determinado valor no negócio, escriturando no contrato como capital da empresa, sendo até o limite do capital total resultante que a empresa poderá realizar suas operações de empréstimos, financiamentos etc. Isso limita o risco do negócio ao valor nele posto, mas impede o benefício da alavancagem, que é onde os bancos mais ganham dinheiro. Isso consiste, então, na prática de emprestar mais do que a instituição realmente possui de recursos.

Outro limite desse tido de empresa é o de só poder ser formado por pessoa natural. Ela pode até ter o formato de uma sociedade limitada, mas não poderá ter, dentre os seus sócios, nenhuma pessoa jurídica. Todos os sócios, necessariamente, precisam ser pessoas físicas e cada um poderá ser associado somente a uma única Empresa Simples de Crédito.

O faturamento deste modelo de negócio será o valor dos juros por ela cobrado. Havendo um limite na lei de que  este valor não poderá ultrapassar o montante de R$ 4,8 milhões no ano – por ser o valo teto das Empresas de Pequeno Porte da lei do Simples Nacional.

A definição de quanto cobrar como juros ficou aberto na lei. Sem um teto legal estabelecido, o valor que a ESC vai computar dependerá unicamente da decisão individual de cada empresa e das condições de mercado; o que poderá significar, até mesmo, abrir concorrência em relação ao sistema financeiro atual.

Como trata-se sempre de operação financeira, para viabilizar todo o rastreamento das operações, a lei exige que as transferências ocorram sempre entre contas bancárias, saindo da conta da empresa para a conta do devedor e vice e versa. Além disso, estabeleceu que as informações precisarão ser obrigatoriamente registradas no Banco Central ou na Comissão de Valores Mobiliários.

Para proteger-se dos maus pagadores, a Empresa Simples de Crédito terá a opção de trabalhar com garantias (como o uso de alienação fiduciária) e terá o condão de poder negativar os maus pagadores por meio de ferramentas como SPC e SERASA. De certa forma, a lei neste ponto visava dar mais segurança a quem for operar por esse formato.

Um último detalhe relevante para quem for seguir esta modalidade, é a presunção de lucro estabelecida na nova lei para as ESC. Significando que, independente dos custos que você venha a ter com a manutenção da sua operação, o lucro que será adotado para o cálculo do IRPJ (Imposto de Renda da Pessoa Jurídica) e para o CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido), ficou definido em 38,4%. Isso equivale a mais ou menos 9,6% da receita sendo destinado ao Imposto de Renda e 3,46% para Contribuição Social.

A lei, na verdade, abriu portas para quem tem reserva de recursos e pode coloca-los para trabalhar para si, gerando uma nova oportunidade de atuação empresarial. Uma brecha para quem sempre sonhou em atuar no altamente rentável mercado financeiro.

Christiano Sobral

Compartilhe

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+